Agrícola

20/08/2018 06:31

Exportações de frango a árabes caem 24% no acumulado do ano

Embora o frango não registre quedas bruscas no preço, desde o ano passado a Arábia Saudita vem questionando o método de abate no Brasil

O Brasil vem enfrentando problemas com o frango, o segundo produto da pauta, aponta a Câmara de Comércio. Embora o frango não registre quedas bruscas no preço, desde o ano passado, a Arábia Saudita, o maior mercado exterior para a ave brasileira, vem questionando o método de abate no Brasil, que não seguiria as regras do Islã por incluir insensibilização elétrica.

Os sauditas vetaram o frango fora de padrão, posição seguida por outros países árabes, enquanto o lobby brasileiro tenta mudar a seu favor a norma técnica de abate da Gulf Standard Organization, espécie de Inmetro da Península Arábica.

Grandes exportadores, no entanto, já se adequaram às exigências e aceitaram até sacrificar margens, pois o abate sem insensibilização tem perdas maiores. Mas os frigoríficos menores saíram do mercado e o espaço foi ocupado por turcos e americanos, que vêm conseguindo vender frango com preço não muito distante da competitiva ave brasileira.

"O Brasil deve prestar atenção à essa situação. Temos tradição de fornecer aos árabes, o quarto destino das exportações brasileiras, frango de valor agregado e nossos esforços devem continuar nesse sentido", defende o presidente da Câmara Árabe, Rubens Hannun.

Outros produtos

Boa parte da redução das exportações brasileiras, contudo, é creditada à super-safra mundial de açúcar, que compõe 27% das

vendas aos árabes. No acumulado, o Brasil vendeu US$ 1,66 bilhão do produto, queda de 35,63%.

Desde o ano passado, a superprodução na Índia vem derrubando a commodity em 30% em média, sem deixar perspectiva de recuperação pelo menos até o ciclo 2019/20. Num esforço de equilibrar receitas, as usinas brasileiras vêm dirigindo uma parte maior da moagem para o etanol de demanda doméstica.

O resultado foi a redução dos embarques de açúcar e, na mesma proporção, da participação do Brasil no suprimento aos árabes.

A lacuna foi ocupada por Índia e Tailândia, países que não têm acesso a um grande mercado de etanol como o Brasil, mas têm açúcar em escala e a vantagem de estarem mais próximos da Arábia Saudita, dos Emirados Árabes e do Egito, todos mercados de grande demanda.

Os grãos também tiveram crescimento. A soja rendeu US$ 212,19 milhões, alta de 37,48%. O milho, US$ 183,53 milhões, 42,90% mais. A entidade credita a elevação aos esforços da Arábia Saudita e dos Emirados Árabes em estimular a produção interna ainda incipiente%


Rádio Tucunaré

Em tempo record o site mais visitado do Vale do Arinos

Copyright 2016 - Todos os direitos reservados.

Cadernos

Sobre

Redes Sociais

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo