Agricultor de Mato Grosso do Sul mantém produtividade do milho mesmo com seca

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Texto Assessoria

Fato que se comprovou com a forte estiagem que atingiu os estados de MG, SP, MS e PR. Foi a seca mais severa dos últimos 111 anos. Segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a safra de grãos deste ano será 9,6 milhões de toneladas menor que a previsão – o milho foi a cultura mais afetada. Em meio a tantas adversidades climáticas, a Korin Agricultura e Meio Ambiente, empresa pioneira na produção de bioinsumos, encontrou um agricultor diferenciado no Mato Grosso do Sul.  Marcos Ruela, produz milho e soja em sua propriedade de 280 hectares, em São Gabriel do Oeste. “É indiscutível que choveu pouco na região, mas o que fez a produção de milho ir adiante foi a contínua utilização de bioinsumos de origem natural de alta tecnologia. Os benefícios observados com a aplicação dos bioinsumos foram: melhorias no solo, plantas mais robustas e saudáveis capazes de tolerar bem à falta de chuvas na região”, explica Ruela.

Gilson Miyazaki, gerente comercial da linha agrícola profissional da Korin Agricultura e Meio Ambiente, explica que o solo bem condicionado faz toda a diferença em situações difíceis como essas, veranicos cada vez mais frequentes e duradouros no país. “Nossos bioinsumos fazem com que o solo se torne cada vez mais biologicamente ativo, fisicamente estruturado e quimicamente equilibrado”, destaca.

Miyazaki ressalta sobre a importância das práticas de conservação de solo, adotar e dosar corretamente o uso de insumos agrícolas sempre com base em critérios agronômicos.

Sendo o solo, a base da produção de alimentos oriundos da união entre as forças na grande natureza e do agricultor, se faz necessário que o produtor ame e respeite o solo, o seu maior patrimônio. Esta percepção norteia o produtor a manejar corretamente, utilizar técnicas e insumos que fortaleçam o solo. Podemos comprovar na prática melhores colheitas, tanto em quantidade quanto em qualidade. E ainda, com muitas vantagens associadas à sustentabilidade do sistema produtivo.

A redução de danos e perdas na produção do milho safrinha na propriedade de Marcos Ruela, em São Gabriel do Oeste, pode ser atribuída ao uso contínuo de bioinsumos, o que torna o solo cada vez melhor e eficiente. Plantas com raízes mais vigorosas são capazes de acessar e absorver água e nutrientes. Plantas bem nutridas são muito mais resistentes à pragas, adversidades climáticas e doenças.

A tecnologia FertPremium, desenvolvido pela Korin Agricultura e Meio Ambiente juntamente com o Centro de Pesquisa Mokiti Okada (CPMO) é uma solução tecnológica, um bioinsumo completo, que vivifica o solo, ajuda a equilibrar o biosistema, fazendo com que a lavoura atinja seu máximo potencial e o agricultor possa ficar mais tranquilo em relação à produção, pois são capazes de tolerar bem a estiagem, como o ocorrido no Mato Grosso do Sul e em outros estados.

Ruela conta que utiliza a tecnologia da Korin há cerca de cinco anos e que, durante esse período, sempre obteve bons resultados com o milho e a soja. “A estiagem castigou sim a região, mas com produtos que promovem o melhor aproveitamento da matéria orgânica presente no solo e também boa descompactação dessa terra foi possível manter o excelente nível produtivo”, completa o agricultor.

FertPremium é indicado para todas as culturas, tanto de grande escala como em pequenos cultivos. “Se cuidar bem do solo é possível manter excelente produtividade e ainda reduzir ou até mesmo dispensar a necessidade de químicos, principalmente defensivos. Na prática, temos resultados de efetivas médias de produtividades com milhares de produtores felizes. Assim contribuímos para a produção de alimentos de alto valor nutritivo e energia vital”, finaliza Gilson.

Fonte: Texto Assessoria

Com muito ❤ por go7.site