Agro-Pecuária CFM, maior fornecedora de touros Nelore do país, introduz genômica na seleção de reprodutores

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest

2020 fica marcado na história da Agro-Pecuária CFM, maior fornecedora de touros Nelore CEIP do país, como mais um ano de grandes mudanças, com destaque para a adoção da genômica no programa de seleção.

“Os processos de avaliação genética são muito dinâmicos e nos últimos anos a pesquisa evoluiu muito, especialmente na área da genômica.

Ciente da importância da inovação, a CFM mantém-se atuante na pesquisa científica, apoiando projetos ligados ao melhoramento animal e permitindo que seu rebanho seja objeto de pesquisas frequentes. Nesse contexto, a empresa começou a investir em genômica já em 2002, em parceria com os professores José Bento Ferraz e Joanir Pereira Eler, geneticistas da USP Pirassununga”, explica Tamires Miranda Neto, gerente de pecuária da CFM.

Desde então, a CFM vem construindo um robusto banco de dados de informações genômicas de seu rebanho, condição imprescindível para que a nova tecnologia traga ganhos reais a qualquer programa de seleção.

“Já reunimos grande volume de dados e adquirimos amplo conhecimento sobre as novas metodologias. Com isso, a partir de agora passamos a usar informações genômicas na seleção da raça Nelore. Isso quer dizer que, além dos dados coletados a campo, a avaliação genética utilizará informações sobre os genes dos animais para o cálculo das DEPs (diferenças esperadas na progênie), inovação que agregará ainda mais confiabilidade à seleção da CFM”, destaca o prof. José Bento Ferraz.

Em termos práticos, a genômica contribuirá bastante para a seleção dos touros jovens da CFM. Os touros nascidos em 2018, por exemplo, que serão comercializados esse ano e ainda nem entraram em reprodução, contarão com DEPs tão confiáveis quanto as de touros que já tem 10 a 20 filhos avaliados. Sem a genômica, seriam necessários mais três anos de trabalho para obter DEPs tão precisas.

“Para os pecuaristas, a inovação adotada pela CFM trará ainda mais confiança ao processo de escolha dos touros”, explica o gerente de pecuária da CFM.

Além da introdução da genômica no programa de seleção, a CFM traz outra mudança em 2020: o novo Índice CFM.

O programa de melhoramento genético da CFM avalia mais de uma dezena de características para cada animal do rebanho. Com o objetivo de reunir as características mais importantes, ligadas à fertilidade, precocidade, peso e qualidade de carcaça, a CFM criou o Índice CFM, principal critério de seleção utilizado pela empresa desde 1994 e que, desde então, é periodicamente revisto.

“Ressaltando que o melhoramento genético é um processo dinâmico, após amplo estudo, o Índice CFM passará a ser composto pelas seguintes DEPs: peso à desmama (20%), ganho de peso pós desmama (20%), peso aos 18 meses (20%), perímetro escrotal (10%), probabilidade de prenhez aos 14 meses (10%) e musculosidade (20%).

A principal mudança foi a inclusão da DEP de PP14 (probabilidade de prenhez aos 14 meses), que tornará o Índice CFM ainda mais apropriado à seleção de touros cujas filhas emprenharão mais cedo. São fêmeas sexualmente precoces e que tendem a ser mais eficientes ao longo de toda sua vida reprodutiva.

“Tanto a adoção da genômica como o ajuste do Índice CFM têm o objetivo de melhorar ainda mais o resultado da genética CFM nas fazendas de nossos clientes, contribuindo para tornar a pecuária nacional mais eficiente, competitiva e lucrativa”, ressalta Tamires Miranda Neto.

Fonte: Portal do agronegocio

Com muito ❤️️ por GO7.SITE

⚙️