Apesar da pandemia, Brasil bate recorde na exportação de soja, carnes e algodão em abril

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest

Abril foi de recorde para as exportações de alguns produtos da agropecuária brasileira, como mostram os dados divulgados pelos Ministérios da Agricultura (Mapa) e da Economia referentes à balança comercial. Produtos como soja, carnes bovina e suína, e algodão tiveram desempenho positivo nas vendas externas, apesar da pandemia de coronavírus, e registraram novas marcas históricas, segundo o governo.

Na soja, os embarques totalizaram 16,3 milhões de toneladas. O recorde anterior tinha sido em março deste ano, de 11,64 milhões de toneladas. O farelo de soja também registrou nova marca em abril: 1,7 milhão de toneladas, informou a Agricultura.

Pelo critério da média diária, usado pelo Ministério da Economia para comparar os números, houve um crescimento de 82,1% nos volumes exportados de soja, em relação abril de 2019, contabilizando média de 815,42 mil toneladas. Em receita, a média diária foi de US$ 272,98 milhões, aumento de 73,51% na mesma comparação.

No relatório da balança de abril, a Economia informa que as vendas do para a Ásia (sem considerar Oriente Médio) aumentaram 81,5% no mês passado. Foi um dos que puxaram o desempenho na região, para onde as exportações, no geral, aumentaram 28,65%.

As exportações de soja para a Europa cresceram 84,8%, também colocando o produto entre os destaques na pauta para bloco. O movimento foi registrado mesmo em um cenário de quase estabilidade para a região, com crescimento de 0,21% no resultado geral de abril.

Já para a região do Oriente Médio, as vendas de soja caíram 57,9% no mês passado, acompanhando um movimento de queda no geral que, segundo o relatório da balança comercial, foi de 34,38%, também tomando por base as médias diárias.

Proteína animal

O setor de proteína animal também registrou marcas históricas em abril, de acordo com o Ministério da Agricultura. Na carne suína, foram enviadas 63 mil toneladas para o mercado externo. Pela média diária, houve alta de 23,35% no volume (3,145 mil toneladas) e de 40,47% na receita com as exportações (US$ 7,69 milhões).

Já os embarques de carne bovina (fresca, refrigerada ou congelada) totalizaram 116 mil toneladas, conforme o Mapa. Pela média diária, houve um crescimento de 8,06% no volume (5,81 mil toneladas) e de 25,18% na receita com as exportações (US$ 25,45 milhões).

Também considerando a média diária, as vendas do produto bovino para a Ásia foram 114,4% maiores, informa o Ministério da Economia. Para o Oriente Médio, caíram 56,1%, acompanhando, assim como a soja, a queda nas exportações para a região de modo geral.

Outro produto do agronegócio com volume mensal recorde foi o algodão, de acordo com o governo federal. Foram 91 mil toneladas em abril, de acordo com o Ministério da Agricultura. Na média diária, houve crescimento de 29,52% no volume (4,53 mil toneladas) e de 18,67% na receita com as exportações (US$ 7,07 milhões).

Acumulado do ano

O resultado dos quatro primeiros meses do ano indica um aumento da importância da agropecuária para as exportações brasileiras. De acordo com o Ministério da Agricultura, o setor respondeu por 22,9% do que foi vendido pelo Brasil para outros países no intervalo de janeiro a abril. Na mesma época em 2019, essa participação foi de 18,7%.

A receita com as exportações de soja aumentou 29,9% em comparação com o primeiro quadrimestre do ano passado, de US$ 8,968 bilhões para US$ 11,653 bilhões. Outros produtos com desempenho positivo foram algodão em bruto, com alta de 69,5% (de US$ 659,2 milhões para US$ 1,117 bilhão), madeira em bruto, que cresceu 28,9% (de US$ 26,1 milhões para US$ 33,6 milhões), mel natural (+17,2%, de US$ 18,4 milhões para US$ 21,6 milhões) e especiarias (+3,2%, de US$ 85,7 milhões para US$ 88,5 milhões).

“Apesar da pandemia do novo coronavírus, o trabalho de abertura de mercado para os produtos agropecuários brasileiros continua trazendo bons resultados para o país. Houve aumento das exportações para a Ásia, com destaque para a China”, diz o Ministério da Agricultura.

De acordo com o comunicado da pasta, mesmo com o impacto da pandemia sobre a economia chinesa, as exportações do agro brasileiro para o país aumentaram 11,3% na comparação dos quatro primeiros meses deste ano com o mesmo período no ano passado. Os destaques foram soja (+28,5%), carne bovina fresca, refrigerada ou congelada (+85,9%), carne suína fresca refrigerada ou congelada (+153,5%) e algodão em bruto (+79%).

“Os números do primeiro quadrimestre mostram que, em dólares, a China comprou do Brasil o triplo do importado pelos Estados Unidos e o dobro demandado pela União Europeia”, informa o comunicado do Mapa, reforçando o papel dos chineses como principais parceiros comerciais do Brasil.

Fonte: Revista Globo Rural

Com muito ❤ por go7.site