Aripuanã é o 5º município que mais contratou em Mato Grosso no ano passado

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest

De acordo com informações do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), Aripuanã encerrou 2020 com saldo positivo em contratações formais de trabalhadores. Os dados, mensurados de janeiro a dezembro de 2020, mostram que o município realizou 4.886 admissões durante todo ano e teve um saldo entre recrutamentos e demissões de 1.444 vagas de trabalho preenchidas, ficando em quinto lugar em contratações no estado. Os setores que mais empregaram trabalhadores com carteira assinada nesse período foram construção, comércio, serviços, indústria e agropecuária.

Entre os municípios de Mato Grosso que mais recrutaram trabalhadores estão, em primeiro lugar, Rondonópolis, com 2.315 contratações, Várzea Grande com 2.170, Sinop com 1.828 e Sorriso, que empregou 1.408 trabalhadores. Na quinta posição, entre os 141 municípios mato-grossenses, Aripuanã se destacou com o setor da construção civil, que fechou o ano com o maior percentual: 78,95% das pessoas empregadas formalmente, correspondendo a 1.140 contratações fixas. O comércio, por sua vez, respondeu por 8,73% das vagas ocupadas. Já o setor de serviços contribuiu com 6,16% no município.

Indústria:  a indústria mais uma vez se mostrou forte geradora de emprego em Aripuanã e respondeu, em 2020, por 5,68%, seguida da agropecuária com 0,48%, ocupando a última posição. Ainda sobre a indústria, é importante destacar que Aripuanã abriga o maior empreendimento de mineração em implantação no estado de Mato Grosso, o Projeto Aripuanã, da Nexa, que contribuiu com o maior número de contratações no município no mês de agosto: 683 trabalhadores efetivadas no período.

Empresário há 12 anos no município, Fabiano Ferreira Lima conta que precisou reforçar seu quadro de funcionários em 2020 e as demandas que eram atendidas por 8 colaboradores saltou para 32 formalizações empregatícias, com o início da implantação do Projeto Aripuanã na cidade. “Devido à demanda de artefatos a venda de concreto usinado e a locação de equipamentos teve um grande aumento. Com isso, aumentamos o quadro de funcionários e mesmo assim está difícil encontrar profissionais na cidade. Estamos trazendo pessoas de fora para trabalhar na empresa”, pontua.

A Federação das Indústrias do Estado de Mato Grosso (FIEMT) vê com bons olhos o crescimento da indústria local em Aripuanã.  “Um dos sinais da recuperação econômica é o índice de geração de emprego. E, mesmo em tempo de pandemia, o setor continua trabalhando com segurança e responsabilidade e, assim, contribuindo com a distribuição de salários e arrecadação de impostos. A indústria da mineração agrega valor à matéria-prima bruta encontrada na natureza e a transforma em produtos mais elaborados. E, ao transformar uma riqueza potencial em riqueza real, a Nexa desempenha um papel fundamental nesse contexto”, afirma Gustavo de Oliveira, presidente do Sistema Fiemt.

Rodrigo Fonseca, Gerente Geral de Mineração do Projeto Aripuanã destaca que o empreendimento, que é o maior investimento da história de Aripuanã, somando cerca de US$ 547 milhões, tem na geração de emprego e renda um diferencial. “Finalizamos o ano de 2020 com mais de 3 mil postos de trabalho somente nas obras do projeto.  Além de assegurar empregos formais diretos e indiretos, a Nexa despertou o interesse das empresas locais, e também estimulou outros negócios a investirem na região. Essa é também parte da nossa contribuição para o desenvolvimento local”, afirma.

Fonte: TOP NEWS com Assessoria Thiago Itacaramby

Com muito ❤ por go7.site