Bactérias mais resistentes, perigoso efeito colateral da pandemia de coronavírus

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest

Em uma pandemia causada por um vírus, os antibióticos — medicamentos que têm como alvo bactérias e fungos — foram amplamente usados no tratamento da covid-19, em alguns casos sem necessidade.

Com isso, pesquisadores e instituições como a Organização Mundial da Saúde (OMS) acreditam que o problema da resistência microbiana, em que germes se mostram cada vez mais fortes e hábeis em driblar os antibióticos, ficará ainda pior.

Já antes da pandemia, a OMS estimava que a resistência microbiana poderia estar ligada a 10 milhões de mortes anuais até 2050.

Neste vídeo, a repórter da BBC News Brasil Mariana Alvim explica por que remédios normalmente usados contra bactérias e fungos foram usados na luta contra um vírus e quais serão as possíveis consequências disto no tratamento de doenças no futuro.

Enquanto muitos antibióticos foram usados para evitar coinfecções — independentemente se elas existiam de fato ou não —, houve um antibiótico específico muito usado na pandemia e que teria uma outra função, a de fortalecer o sistema imunológico no combate ao coronavírus.

A azitromicina foi o segundo medicamento mais receitado no tratamento da covid-19 por médicos de todo o mundo que participaram de um levantamento da Sermo, uma plataforma mundial usada por estes profissionais. O antibiótico foi prescrito por 41% dos 6,2 mil entrevistados contra o novo coronavírus, atrás apenas dos analgésicos.

E a resistência à azitromicina pode afetar o tratamento de doenças como otite e gonorreia.

Fonte: R7

Com muito ❤️️ por GO7.SITE

⚙️