Baixas temperaturas do inverno prejudicam o metabolismo e a reprodução de peixes

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest

A variação negativa das temperaturas impacta o metabolismo dos peixes. Como consequência, reduz a taxa de reprodução da tilápia, espécie mais disseminada no país, com 486 mil toneladas/ano (cerca de 61% do total nacional) de acordo com a Associação Brasileira da Piscicultura (PeixeBR). “A temperatura é uma das alterações ambientais que mais afeta os peixes de cultivo. A partir da sua redução ocorrem diversas reações em cascata. Com a queda na temperatura da água, o metabolismo dos peixes é reduzido e, com isso, o consumo de ração também cai. Ingerindo menos nutrientes, os peixes passam a ter menor capacidade de superar os desafios do período – inclusive sanitários –, o que impacta negativamente no desenvolvimento normal”, afirma o zootecnista Daniel Fuziki, gerente de negócios de aquicultura da Phibro Saúde Animal.

“Nesse cenário, algumas bacterioses sazonais, como a franciselose, encontram terreno ideal para desenvolvimento. Com a queda da resistência dos peixes, há suscetibilidade maior para infecções, o que impacta seriamente os resultados produtivos dos piscicultores. É preciso implementar um programa de manejo sanitário e nutricional adequado”, complementa Fuziki.

Em viveiros escavados, a redução da oferta de água das chuvas também impacta a saúde dos peixes no inverno, uma vez que a menor troca de água compromete sua qualidade.

O gerente da Phibro relata que a diminuição da temperatura no inverno geralmente reduz a taxa de reprodução da tilápia, principalmente nas regiões Sul e Sudeste. Nessas regiões, as variações climáticas acentuadas exigem o emprego de tecnologias para manter a produção de alevinos ao nível mínimo nessa fase. Uma boa opção é a cobertura em viveiros de matrizes em reprodução para elevar a temperatura da água e favorecer o nível nutricional dos peixes.

“Em relação aos peixes nativos, neste período do ano a reprodução cai. Há produtores que estocam os alevinos para povoar ao longo do ano. Dessa forma, assim como é feito com a tilápia, a nutrição no inverno deve ser adequada, balanceada e de qualidade, com o objetivo de manter os peixes saudáveis durante a estocagem”, destaca Daniel Fuziki.

Diante destes desafios, manter a atenção aos macro e aos micronutrientes é essencial, assim como o reforço nutricional das rações, devido à diminuição do metabolismo. “Os piscicultores também devem se atentar para as bacterioses, a fim de evitar mortalidade elevada. Evitar manejos desnecessários ou mesmo aumentar o intervalo entre eles no inverno pode ser eficaz para reduzir estresse e eventuais danos físicos”, finaliza o zootecnista.

Para auxiliar o piscicultor, a Phibro disponibiliza uma linha completa para saúde e nutrição em aquicultura, com produtos naturais que aumentam a capacidade dos peixes de suportar o estresse causado pelos desafios das baixas temperaturas, aumentando sua imunidade e a função digestiva, prevenindo bacterioses e melhorando a microbiologia em ambientes aquáticos. Tudo isso com elevado padrão de qualidade para atender às necessidades dos piscicultores brasileiros.

Entre as soluções estão dois produtos naturais, PAQ-Gro é um premix para aquicultura que, juntamente com uma nutrição balanceada, reduz os efeitos do estresse e promove ganho de peso; e PAQ Protex, um aditivo feito à base de duas saponinas extraídas de plantas (Yucca e Quillaja) que classicamente possuem a capacidade de melhora da saúde de peixes e camarões e proporcionando uma melhor função intestinal para aproveitamento das dietas. O portfólio da Phibro conta ainda com o aditivo probiótico Bioplus PS e o antimicrobiano TM 700.

Fonte: Texto Assessoria

Com muito ❤ por go7.site