COVID 19: Paciente de Juara tem dois exames positivos e um negativo. Médico explica como interpretar.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest

O resultado do exame realizado no LACEN do paciente idoso que teve dois exames de teste rápido positivos e um negativo.

Ainda que a notícia seja animadora, o médico Dr Ricardo Leandro em entrevista rádio Tucunaré, explicou que um exame não anula o outro.

Para que as pessoas possam compreender essa afirmação, explicou o que os laboratórios de Juara estão usando kits de teste com certificação da Anvisa e FDA e que existe testes no mercado que foram importados da China e que de fato, não possuem eficiência, mas não é o caso dos testes dos laboratórios de Juara.

O que cada exame procura

1° – Sorologia (Teste rápido) procura anticorpos, mas somente testa positivo, após o sétimo dia da contaminação. Ele pesquisa anticorpos IGM que mostram a doença na fase aguda.

2° PCR-RT (feito no Lacen) pesquisa material genético do vírus e deve ser feito entre o 3° ao 7º dia. Quando ele é feito depois do sétimo dia, ele pode não encontrar mais o vírus na mucosa do paciente e da negativo. O exame procura anticorpos IGG, que mostram a doença curada ou caminhando para a cura.

O idoso de Juara teve o seguinte resultado: IGM positivo duas vezes (Teste rápido) e IGG negativo (LACEN)

Os exames de teste Rápido que deram positivo: Significa que ele tinha anticorpos para aquele vírus em uma fase aguda e que ainda não tinha desenvolvido a cura total, mas já estava produzindo anticorpos. Esse exame busca uma reposta ao vírus.

O exame do Lacen que deu negativo: Pesquisa o RNA que é o material genético do vírus na mucosa do paciente. Deu negativo e significa que não encontrou o vírus no momento da coleta do exame.

Como interpretar:

A pesquisa viral PCR é utilizada pelo laboratório do estado porque existem testes rápidos no mercado que não são de confiança e os de Juara são credenciados pela ANVISA, portanto:

  • Ou o paciente não teve o vírus e o teste rápido avaliou errado
  • Ou o paciente teve o vírus e no momento da coleta do PCR (lacen) já estaria com a carga viral baixa e não conseguiram detectar o vírus naquela amostra.

Quando o resultado do PCR da negativo, pode ser que a pessoa ainda não tenha anticorpos, por isso ele pode dar falso negativo. O resultado negativo tem confiança de apenas 25%. Quando ele dá o resultado positivo para IGM, ele achou anticorpos da fase aguda doença, este resultado tem confiança de 86%. Se ele der positivo IGG são anticorpos da fase tardia da doença, e fica positivo IGG para sempre. O IGG tem confiança de 99%, explicou o médico.

Demora para coleta do exame chegar no laboratório central

Para os laboratórios o problema de a demora para o exame chegar ao destino é um entrave e a falta de logística interfere. É preciso que a amostra chegue ao laboratório de apoio em 24 horas após a coleta e como estes laboratórios de apoio ficam na região sul e Sudeste, não chegam em 24 horas.

A secretaria de saúde Silvia Sirena informou que uma nova coleta será realizada para um novo exame no paciente no laboratório LACEN.

Independente dessa incerteza, o paciente segue se recuperando bem, ainda está internado devido a sua idade embora não necessite mais dos cuidados intensivos e nem de balão de oxigênio.

Ouça entrevista com o médico dr Ricardo Leandro

Fonte: Rádio Tucunaré e Acesse Notícias

Com muito ❤️️ por GO7.SITE

⚙️