Deputados aprovam, com emendas, segunda parte da reforma da previdência estadual

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest

Os deputados estaduais de Mato Grosso, aprovaram na tarde desta quarta-feira  a Proposta de Emenda Constitucional 06/2020, que prevê mudanças nas regras das aposentadorias dos servidores públicos estaduais.

Por 16 votos a oito, o novo texto passará a valer após a promulgação.

Despois de ficar por seis meses em análise pela Casa de Leis, a proposta foi aprovada com oito emendas de autoria das lideranças partidárias.

Para o deputado Faissal Calil, a proposta foi amplamente discutida.

Faissal disse que a reforma deve ser para todos. Segundo ele, é um remédio amargo, mas cada um tem que se doar um pouco nesse momento.

A partir da sanção, os servidores da Polícia Civil, agentes socioeducativos e penitenciários passam a se aposentar com o total do último salário recebido, e com a idade mínima de 50 anos, para ambos os sexos.

Para a aposentadoria, essas categorias deverão ter 30 anos de carreira, sendo 20 em atividade de segurança para os homens, e 25 anos de trabalho, sendo 15 na segurança, se for mulher.

Os ocupantes dos cargos das carreiras da Politec, Perícia Oficial e Identificação Técnica, que tenham ingressado na carreira até a data em que a reforma passou a valer, poderão se aposentar como profissionais da segurança, com direito a integralidade, ou seja, se aposentar com o valor do último salário, e a paridade, que significa receber os reajustes salariais equivalentes aos dos servidores ativos.

O servidor público estadual com deficiência que tenha ingressado no serviço público em cargo efetivo até 31 de dezembro de 2003, terá o valor da sua aposentadoria integral, com base na última remuneração e, também receberá o reajuste anual, o que torna o benefício paritário.

Qualquer servidor público que eventualmente trocar de cargo público, por aprovação em novo concurso, não terá quebra de vínculo com o serviço, desde que o prazo entre a exoneração do cargo anterior e a posse no novo cargo não exceda 30 dias.

Os membros do Poder Judiciário e do Ministério Público, que ingressaram na carreira até 16 de dezembro de 1998, poderão se aposentar aos 53 anos, com 35 anos de trabalho se homem, e 48 anos, com 30 de trabalho se for mulher.

Fonte: sapicua

Com muito ❤️️ por GO7.SITE

⚙️