É possível doar sangue com segurança durante a pandemia. Veja cuidados

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest

A pandemia de covid-19 levou à queda no número de doações de sangue em todo o país. Por essa razão, diversos hemocentros operam em estado crítico. Entretanto, diversas medidas foram adotadas para diminuir o risco de contágio pelo coronavírus.

As principais recomedações do hematologista Breno Gusmão, da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo, aos doadores são evitar horários de maior movimentação e não comparecer ao hemocentro para doar sangue caso apresentem sintomas respiratórios ou tenham estabelecido contato com pessoas que têm suspeita ou tiveram o diagnóstico de covid-19 confirmado.

Leia mais: Em estado crítico, hemocentro pede doações de sangue em São Paulo

“É importante entrar em contato com o hemocentro para ver qual o horário com menor movimento”, aconselha. “A doação é um procedimento seguro e na pandemia todas as unidades adotaram um fluxo específico para minimizar riscos [de contaminação pelo coronavírus]”, destaca.

Além de seguir medidas recomendadas desde o início da pandemia, como disponibilizar álcool em gel em vários pontos do processo de doação e manter o distanciamento mínimo de um metro entre as pessoas, a Fundação Pró-Sangue, em São Paulo, aumentou as vagas para agendamento individual e incluiu o coronavírus na triagem dos potenciais doadores, conforme orientações do Ministério da Saúde.

Desde então, foram estabelecidas restrições específicas relacionadas ao vírus que causa a covid-19 para avaliar quem pode doar sangue:

 – Candidatos que apresentaram infecção por covid-19 são considerados inaptos por um período de 30 dias, após recuperação clínica completa (assintomáticos).

– Candidatos que tiveram contato direto (domiciliar ou profissional) com casos suspeitos ou confirmados de contaminação por coronavírus devem aguardar 14 dias após o último dia de contato para realizar a doação de sangue.

– Profissionais da saúde que tiveram contato direto (domiciliar ou profissional) com pacientes devem aguardar 14 dias após o último dia de contato para realizar a doação de sangue.

Leia mais: Brasil tem queda de 40% nos transplantes por causa da pandemia

Além disso, continuam valendo os critérios adotados antes da pandemia. Doadores precisam estar em boas condições de saúde, pesar mais de 50 kg, ter entre 16 e 69 anos de idade – desde que a primeira doação tenha sido realizada até os 60 anos – e menores de 18 anos precisam de autorização dos responsáveis e documentos específicos. Também é necessário levar a identidade original.

A Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo informa em seu site o endereço, telefone para contato e o horário de funcionamento dos postos de coleta de todo o estado. Também é possível localizar hemocentros de todo o país no Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea (REDOME).

Leia mais: ‘Câncer não espera’: pacientes têm tratamento suspenso na pandemia

Gusmão enfatiza a importância da doação de sangue durante a pandemia para pacientes que sofrem com outras enfermidades. “Existem outras doenças que não esperam a pandemia passar. Há pacientes que necessitam de cirurgias de grande porte, transplante de medula óssea e que fazem quimioterapia para quem é essencial doar. Uma doação pode ajudar até quatro pessoas”, conclui

Fonte: R7

Com muito ❤️️ por GO7.SITE

⚙️