Estudo seleciona guaraná com mais propriedades

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest

Uma pesquisa desenvolvida pelo programa de melhoramento genético do guaranazeiro, da Embrapa Amazônia Ocidental (AM), buscou genótipos mais produtivos e com mais propriedades funcionais. Também foram avaliados oito genótipos com maiores efeitos energéticos e antioxidantes, substâncias benéficas à saúde como cafeína, teobromina, teofilina, catequina e epicatequina. O guaraná tem o dobro de cafeína do que o café, por exemplo.

As informações vão incorporar programas de melhoramento genético e ampliar o potencial de uso do guaraná em indústrias como a cosmética e a farmacêutica. Também foram propostos cruzamentos para uso no programa de e observada a influência de fatores como temperatura e chuva nas características químicas dos genótipos. “É interessante que a cultura do guaraná seja implantada em locais com temperaturas mais altas para obter maiores teores de cafeína e em locais com maiores precipitações médias anuais para alcançar teores mais altos de catequinas”, informa a agrônoma Natasha Nina, autora da pesquisa.

Nina destaca que a pesquisa é inédita não só por estudar a diversidade genética em função de caracteres agroindustriais, como também pela avaliação da função dos metabólitos de sementes do guaraná voltadas à seleção de genótipos para o melhoramento genético. O programa de melhoramento lançou nos últimos anos 18 cultivares, que apresentam maior produtividade e maior resistência genética à antracnose, principal doença que ataca a cultura no Amazonas.

O resultado faz parte da pesquisa e tese de doutorado “Divergência genética, adaptabilidade e estabilidade e ganhos de seleção para caracteres agroindustriais de genótipos de guaranazeiro”, defendida pela agrônoma Natasha Nina, com orientação do pesquisador da Embrapa André Atroch e da professora Flávia Schimpl, do Instituto Federal do Amazonas (Ifam). A tese foi defendida no âmbito do programa de pós-graduação em Agronomia Tropical da Universidade Federal do Amazonas (Ufam) e recebeu, em 2020, premiação na categoria de Melhor Tese do Programa de Pós-Graduação em Agronomia Tropical. A tese pode ser conferida na íntegra aqui.

Fonte: Embrapa Amazônia Ocidental