Frango inteiro continua propiciando a melhor resposta nas exportações de carne de frango

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Veja

Pois os resultados de fevereiro não só ressaltam essa tendência como também trazem informação surpreendente: no mês, o preço médio alcançado pelo frango inteiro (US$1.488,54/tonelada) superou em 2,6% o preço médio dos cortes (US$1.450,55/tonelada). Uma ocorrência que, mesmo não sendo inédita, é extremamente rara na história das exportações desses dois itens.

E tal desempenho fica ainda mais visível na análise (tabela abaixo) dos valores acumulados no primeiro bimestre de 2021. Embora o volume de frango inteiro embarcado tenha recuado quase 5% no período, seu preço médio, ao contrário dos demais itens, aumentou perto de 6%, fazendo com que sua receita cambial, negativa até janeiro passado, passasse a apresentar valorização anual positiva de 0,80%.

De sua parte, os cortes de frango, além de sofrerem queda de volume maior (-6,79%) que a do frango inteiro, apresentaram forte retrocesso no preço médio (-12,37%). Com tais desempenhos, a receita cambial do produto recuou mais de 18%. Como correspondeu a dois terços da receita total dos quatro itens, a receita dos cortes neutralizou os pequenos ganhos obtidos pelos outros três itens, fazendo com que o bimestre fosse encerrado com um recuo de 12,58% na receita cambial total.

O volume de industrializados de frango e de carne de frango salgada aumentou no período (2,78% e 8,02%, respectivamente). E apesar de terem enfrentado retrocesso de mais de 2% no preço médio, encerraram o bimestre com aumento de receita. Mas isso em quase nada influenciou o resultado, pois sua participação na receita cambial total não chega a 8,5%.

Fonte: AviSite