Juara: Saiba quais são as consequências que a exploração do trabalho infantil pode causar no futuro

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest

Na última sexta-feira, 12, o quadro de entrevistas da rádio Tucunaré recebeu a doutora Renata Meira da Silva que é psicóloga do Centro de Referência de Assistência Social (CREAS) e coordenadora do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) em Juara.  Entre os assuntos abordados, foi tratado sobre a campanha com o objetivo de combater o trabalho infantil no município.

A psicóloga Renata Meira da Silva afirmou que o assunto sobre a erradicação do trabalho infantil deve ser debatido constantemente justamente para prevenir que as crianças passam por um trabalho forçado e que irá atrapalhar no seu desenvolvimento físico e psicológico.

O termo “trabalho infantil” é definido como o trabalho que priva as crianças de sua infância, potencial e dignidade. Ele é diretamente prejudicial ao seu desenvolvimento físico e mental, podendo interferir em seu aprendizado, privar as crianças de frequentarem a escola ou obrigá-las a abandonar os estudos prematuramente ou exigir que a criança concilie um trabalho excessivamente longo e pesado com frequência escolar.

No Brasil, o trabalho infantil é proibido para crianças e adolescentes com idade inferior a permitida, para a admissão ao emprego. A Constituição Federal determina em seu artigo 7º, inciso XXXIII que “qualquer trabalho é proibido para menores de 16 anos, sendo autorizada apenas a condição de jovem aprendiz, para maiores de 14 (catorze) anos, e também é proibido trabalhos noturnos, perigosos ou insalubres para menores de 18 anos”.

Renata informou que Juara fez a adesão ao Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) desde o ano de 2016. Assim que foi lançada a campanha no Brasil, o município foi um dos primeiros 19 a aderirem ao programa. “Nós estamos enfatizando agora em 2021, visto que esse ano foi considerado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como o ano que devemos combater o trabalho infantil”. A meta da OMS é a de que até o ano de 2025, toda a forma de trabalho infantil seja erradicada em nível internacional.

O PETI vem de encontro com as condicionalidades do Programa Bolsa Família. Conforme explicou a doutora Renata Meira da Silva, “para a pessoa continuar recebendo o bolsa família, a criança tem que estar matriculada, estar frequentando a escola e também estar indo na unidade de saúde, realizar todos os exames, vacinação etc. Se realmente as pessoas tiverem a consciência, a família irá melhorar de uma forma muito positiva”.

A campanha contra o trabalho infantil acontecerá em Juara por meio de divulgação digital, através das mídias sociais do Creas Juara, no Facebook e Instagram. A psicóloga Renata Meira da Silva reconhece que esse assunto é muito polêmico uma vez que ainda permeia na população a cultura de acreditar que se a criança não trabalhar desde pequena, ela poderá se tornar alguém desocupada, não se interessar pelo trabalho no futuro e assim se tornando uma pessoa ociosa.

O ponto crucial apontado pela Dr. Renata é de que se faz necessário buscar trazer oportunidades para as crianças para que elas possam, nesse período de suas vidas, desenvolver o seu aprendizado, ter momentos de lazer e entre outras atividades de recreação.

“Existe uma diferença entre a criança ajudar nos afazeres da residência e entre a criança ser incumbida de realizar todas as tarefas de casa. Há uma diferença entre ajudar e realizar totalmente aquele trabalho.”, explicou a psicóloga. Ela afirma que a exploração se caracteriza a partir do momento em que a criança é forçada a realizar um trabalho que demanda uma força física acima do que é permitido a ela.

Com o início da campanha, não se tem registros oficiais de que em Juara existem casos de trabalho infantil. Um dos agravantes que pode causar nas crianças que são postas a trabalharem em serviços pesados é o de que isso as prejudicará em seu desenvolvimento físico e quando elas chegarem na idade adulta poderão apresentar deformidades em seus corpos, além de terem prejuízos na saúde física e transtornos psicológicos.

“Lembrando que ajudar, pode. Agora, incumbir uma criança a realizar um trabalho onde aquela mão de obra vai resultar em um beneficio financeiro, aí é outra coisa e onde deve ser realmente combatido”. Concluiu a psicóloga e coordenadora do PETI em Juara, Dr. Renata Meira da Silva.

Fonte: rádio Tucunaré e site Acesse Notícias

Com muito ❤️️ por GO7.SITE

⚙️