Manifestantes fecham 163 em Sorriso até ‘saída de ministros do STF’ e ‘voto impresso auditável’; Sinop, Mutum, Lucas continuam bloqueios

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest

Moradores de Sorriso também aderiram ao protesto realizado em diversas cidades do Estado e decidiram fechar a BR-163, no quilômetro 745. O agricultor Márcio Maziero Pozzobon confirmou que o bloqueio da passagem de caminhões e carretas, exceto as que transportam cargas perecíveis e vivas, irá durar até a saída dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e implantação do voto impresso auditável.

“A reivindicação é a mesma de Brasília, que é o voto impresso auditável e a exoneração dos ministros do STF. Não tem mais condição de Justiça com esse tipo de ministro que tem lá. O que eles estão fazendo é uma ditadura judicial. O bloqueio vai até eles darem o braço a torcer e atenderem a pauta. E tem que ser as duas pautas”, afirmou Márcio.

No final da tarde, a concessionária que administra a rodovia federal atualizou a lista de interdições e confirmou que também há bloqueios impedindo a passagem de cargas não perecíveis ou vivas em Nova Mutum (quilômetros 593 e 601), Lucas do Rio Verde (km 687), Sinop (821, no bairro Alto da Glória) e Várzea Grande (km 517 da BR-070).

Já a Polícia Rodoviária Federal (PRF) informou que há interdições em Matupá, no quilômetro 1.035, onde manifestantes bloquearam totalmente a via. Além disso, na BR-070, há bloqueios de pista nos quilômetros 272, em Primavera do Leste, e 376 e 383, em Campo Verde. Na BR-158, há bloqueio com permissão para passagem de veículos de passeio.

Os protestos já levam os moradores de diversas cidades de Mato Grosso a uma “corrida” para garantir combustíveis. Um levantamento feito esta manhã, por Só Notícias, constatou que, entre 10 postos localizados às margens da BR-163, no centro e em alguns bairros da cidade, em apenas três não há falta de gasolina, etanol e diesel.

Conforme Só Notícias já informou, os protestos começaram ontem, em apoio ao governo do presidente Jair Bolsonaro (Sem partido), que reuniu milhares de pessoas em Brasília, São Paulo e Rio de Janeiro com críticas a determinadas decisões de ministros do STF, relativas à liberdade de expressão, e apoio ao voto impresso.

Fonte: Só Notícias

Com muito ❤ por go7.site