Mendes nega cunho eleitoreiro com concurso: “Conversa fiada”

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest

O governador Mauro Mendes (DEM) subiu o tom contra quem o tem acusado de lançar um concurso para formação de cadastro reserva para a área de Segurança Pública apenas com “cunho eleitoreiro”, afirmando que tais pessoas desconhecem a realidade do Estado e “falam abobrinha”.

“Quem fala isso está conversando fiado. Tudo o que o governador faz tem cunho eleitoreiro? […] Quem fala isso não conhece os números, não sabe o que é a Polícia Militar, os Bombeiros. Para de conversa fiada”, criticou, em entrevista à Rádio CBN Cuiabá.

“É muita gente falando abobrinha sem conhecer os números. Houve um grande número de aposentados, tem cidades do interior faltando policiais. Isso está criando um transtorno operacional muito grande”, completou.

Conforme Mendes, cerca de 1,6 mil policiais militares se aposentaram desde a realização do último concurso e há cidades do interior que contam com apenas um ou dois policiais, quando deveria ter de oito a 10 PMs para cuidar da segurança.

“Quem está falando isso não conhece o que está dizendo ou está fazendo crítica defendendo algum interesse pessoal”, disse.

O chefe do Executivo ainda defendeu a razão pela qual decidiu lançar um certame para a formação de cadastro reserva e não com número específico de vagas para cada órgão da Seguraça.

Segundo ele, dessa forma são classificados todos os que tiverem aproveitamento de 50% mais um no processo de seleção e o Governo poderá convocar, ao longo de quatro anos, o número de servidores que precisará para suprir a sua demanda, sem resultar em “inchaço” da máquina.

“Não vou criar 4 mil vagas para fazer como ocorre em setores lá em que não estamos precisando de gente e, por força de decisão judicial, temos que nomear pessoas que não temos o que fazer com elas. Isso porque lá atrás alguém tomou uma decisão errada”, criticou.

“Com o tempo, as coisas mudam. Se você faz um cadastro reserva, você chama quem precisa. O cidadão, que paga impostos, vai querer que eu fique chamando gente para o Governo [sem necessidade] para ele ir pagando a conta?”, questionou.

Concurso

Ao todo, o Estado lançou sete editais para 11 diferentes cargos da Policia Militar, Corpo de Bombeiros, Polícia Civil e Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec). Os salários chegam a R$ 13,9 mil.

O governador Mauro Mendes (DEM) já afirmou que pretende convocar 1.200 aprovados ainda em 2022.

As inscrições tiveram início no último dia 12 e seguem até o dia 24 de janeiro, ao valor de R$ 130. Todas as vagas exigem Ensino Superior Completo e os concursos serão realizados pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT).

Fonte: Nortão Noticias

Com muito ❤ por go7.site