Mercado de biológicos pede passagem no agronegócio

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest

Se tem um setor que não parou de crescer nos últimos anos é o de biológicos. Isso porque cada vez mais os produtores, desde os mais jovens até os mais tradicionais, estão buscando o uso de soluções naturais como alternativa para uma agricultura cada vez mais eficiente e sustentável. Embora, desde os anos 80, instituições de grande renome, como a Embrapa, já faziam estudos sobre tecnologias naturais para o controle de pragas, foi nos últimos anos que o segmento decolou de vez e não deve parar por aí.

Segundo pesquisa recém divulgada pela Kynetec, especialista em pesquisa de mercado global em saúde animal e agricultura, que processa mais de 1 bilhão de dados anualmente, até 2025 o setor de insumos biológicos deve ultrapassar 8 bilhões de dólares. Ainda de acordo com a pesquisa, esse crescimento se atribui a uma junção de diversos fatores. Entre eles, uma demanda crescente no manejo integrado de pragas e doenças (MIP). Além disso, as pressões regulatórias sobre os produtos químicos sintéticos é outro ponto determinante.

Carlos Alberto Baptista, diretor nacional de vendas da Biotrop, é um pouco mais conservador quanto às projeções de crescimento, no entanto, acredita que o mercado deve continuar avançando acima dos 50% ao ano. “Hoje vemos produtores tradicionais já utilizando os biológicos e isso mostra que eles já entendem os seus benefícios e o real valor de aplicá-los não só para o ganho no momento, mas para o ganho futuro. Quando se fala em biologia do solo, agricultura sustentável e produtos mais limpos, são demandas atuais da sociedade e que vão se intensificar com o passar dos anos” diz.

Ainda conforme o especialista, é importante destacar que o papel do biológico não é substituir o químico. Ele até pode fazê-lo pontualmente em algumas pragas e segmentos, como no controle de nematoides, mas na maioria dos casos, o recomendado é uma sinergia entre ambos.

Os biológicos e naturais são excelentes ferramentas para a redução dos produtos químicos utilizados nas lavouras e até mesmo propiciam a esses químicos um maior período de permanência no mercado, ou seja, um tempo maior de efetividade no controle das pragas/doenças. “Ao utilizar o mesmo produto por muito tempo e após várias aplicações temos a perda da sua efetividade, aumentando a possibilidade do aparecimento das resistências. Em resumo: Quando se aplicam os químicos consorciados com os biológicos, aumenta-se a efetividade desses químicos por mais anos”, destaca Baptista.

Investimento em inovação

Para se destacar neste mercado cada vez mais concorrido, a Biotrop está se preparando e investindo. A ideia é focar em novos produtos que efetivamente tragam uma boa relação de custo-benefício ao produtor. Assim, recentemente a empresa adquiriu um terreno, onde está construindo a primeira e exclusiva estação de pesquisa de biológicos do Brasil. “Temos ainda, em Curitiba, uma equipe de microbiologistas que trabalham focados em transformar descobertas em produtos eficientes para agricultura, isso é inovação. Também estamos ampliando a estrutura de atendimento. Saímos de 2017 com cerca de 70 profissionais atuando, para cerca de 110 pessoas ano passado e provavelmente nossa meta é terminar 2021 com algo em torno de 130 profissionais focadas na prestação de serviço e na geração de valor aos clientes”, ressalta o Baptista.

De acordo com Marcos Avanzi, diretor de assuntos regulatórios da Biotrop, a empresa tem como lema buscar sempre a inovação, mas isso no sentido mais amplo, não apenas na produção industrial, mas no desenvolvimento de novos produtos, novas composições e formulações. “Estamos sempre em busca de novos organismos que possam ter uso agrícola. Por isso, mantemos contato direto e parcerias importantes, como a Embrapa e outras instituições. Além disso, o nosso departamento de pesquisa e tecnologia prospecta oportunidades o tempo todo, seja no Brasil ou no exterior”, diz o especialista.

Pressão por mudanças

Nos últimos tempos, diversos países do mundo têm aumentado a cobrança sobre o uso de defensivos químicos, e buscam uma agricultura cada vez mais sustentável. Os produtos biológicos ganham força para cumprir essa função. “A pressão da sociedade está cada vez maior, e logicamente o agricultor utilizando os produtos biológicos tem a possibilidade de exportar para países, que são mais rigorosos. O mercado consumidor é quem pressiona as mudanças”, destaca Avanzi.

Mercados consumidores asiáticos, por exemplo, principais importadores dos produtos agrícolas brasileiros, e europeus, estão exigindo melhor qualidade e menos uso de químicos.  O biológico se encaixa perfeitamente nesse cenário, por carregar a bandeira do ambientalmente correto.

Toda essa cobrança por mudança externa tem dado resultados e ajudado no aspecto regulatório. Isso faz com que também os órgãos governamentais brasileiros se modernizem e agilizem o processo de registro de biológicos. “É importante destacar que o processo de registro não é facilitado, ele é agilizado. Comparado dentro do produto químico, nós estamos em um momento muito ágil, apesar de uma escassez de pessoal técnico dentro dos ministérios para analisar. Mas, enquanto o produto químico demora até 10 anos para ser aprovado, os biológicos temos conseguido registrar em um ano. Isso também graças a nossa eficiência em pesquisas e testes”, finaliza o especialista.

Fonte: RuralPress

Com muito ❤️️ por GO7.SITE

⚙️