Moradores de Castanheira caem no golpe do Nudes

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
reprodução

Um castanheirense em busca de uma paquera virtual, é uma das mais recentes vítimas de um golpe que vem crescendo no país. O golpe do nudes, em que bandidos fazem falsos perfis de jovens mulheres e tentam fisgar vítimas nas redes sociais. Quando existe correspondência, começa um processo de extorsão.

Um jornalista de Castanheira, que recebeu convite de uma página fake e resolveu investigar, chegou a alertar alguns cidadãos locais, que já estavam na página, com a alcunha de Bianca.

Ele Lembra que existem muitas formas de desconfiar, entre elas a forte presença masculina entre os “amigos”. Em alguns casos, o índice chega a ser de 100%. Existe também a preferência por homens casados, por ser mais fácil extorqui-los.

No caso que chegou a acompanhar, as contradições na página da personagem eram evidentes. Entre elas, já ter estudado na UNIVAG, possuindo apenas 15 anos. Neste caso, a idade também deveria ser observada, pois qualquer relacionamento com menores, como o objetivo buscado pelos que tem caído no golpe, caracteriza uma transgressão da lei.

Ameaças

Pelo menos dois castanheirenses foram vítimas da suposta “garota” nas últimas semanas.

A forma de abordagem tem características comuns a centenas de outros que tem acontecido no país. A primeira delas é a troca de fotos íntimas. Depois, aparece em cena um personagem que seria pai da garota, alegando ter conseguido acesso aos conteúdos e imagens. Outros aparecem em seguida, na forma de um tio, de um advogado ou até mesmo algum policial. Todos fazendo ameaças.

O enredo é comum: a garota está arrependida, acabou tendo problemas de saúde – em alguns casos até depressão – e está em tratamento. Da vítima solicitam dinheiro para ajudar nos custos, sob pena do caso ser levado a público ou ao conhecimento da Polícia.

Em pânico, sem saber que a trama se desenvolve principalmente a partir de algum presídio, a vítima acaba cedendo, arcando com os recursos solicitados, em montantes que variam. Em alguns casos o valor exigido atinge altas cifras.

Forçando a barra

Para dar tons mais dramáticos e impor pânico aos que caem na armadilha, no caso das duas vítimas de Castanheira o “pai” da garota cita que ao ser descoberta ela surtou. Além dos problemas emocionais, que motivaram cuidados psicológicos, quebrou aparelho telefônico e a televisão de casa, aumentando a conta.

“Para que não levemos o caso à Polícia a condição é você arcar com as despesas dos danos materiais e do tratamento médico”, disse a uma das vítimas.

Fonte: Juina News