Plano Safra cria grandes expectativas de aceleração nacional

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Correio Braziliense

Lançado na semana passada pelo governo com um total de R$ 251,2 bilhões em créditos aos pequenos, médios e grandes agricultores brasileiros, o Plano Agrícola e Pecuário (PAP) 2021/2022-Plano Safra criou grandes expectativas de aceleração do cenário econômico nacional. O programa, que visa à expansão de mercados, deve tornar o agronegócio “ainda mais competitivo”, segundo Tereza Cristina, ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Criado pelo governo em 2003, o Plano Safra garante crédito para o agricultor investir e custear sua produção. Se por um lado, houve aumento de 6,3% — 14,9 bilhões do último programa para o atual —, por outro, também subiram os juros, em média 10%.

Para Simone Pasianotto, economista-chefe da Reag Investimentos, embora ofereça maior valor de crédito do que o programa passado, o novo Plano Safra está menor, devido à inflação. “Em termos reais, descontada a inflação, o valor é menor do que a gente teve no ano passado. Ela comeu esse ganho de 6,3%. Um levantamento revela que houve aumento, nos últimos 12 meses, entre 20% e 30% no custo de produção rural”, explica.

O Plano Safra 2021/2022 oferece à agricultura familiar uma fatia de R$ 39,34 bilhões em créditos por meio do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), 19% a mais que o programa anterior. Os juros para os pequenos produtores ficaram entre 3% e 4,5%.

Apesar do aumento no valor de crédito oferecido pelo programa, burocracias podem dificultar o acesso ao crédito, especialmente pelo pequeno produtor, além do alto risco de inadimplência, segundo o economista Virgílio Lage, assessor da Valor Investimentos.

“Por se tratar de agropecuária e agricultura, vários fatores externos, como o clima, agravam o risco de calote sistêmico, pois, mesmo que a garantia preveja questões climáticas, ela não cobre riscos fora da curva”, alerta.

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) avalia que as medidas foram anunciadas dentro das expectativas do setor. Entre os pontos positivos, a entidade destaca o aumento dos recursos para pequenos e médios produtores, para a produção sustentável e aumento dos investimentos.

Segundo o vice-presidente da CNA, deputado José Mário Schreiner (DEM/GO), o programa agradou ao setor e compreende o momento de dificuldade fiscal do país. “Nós entendemos que é um plano do tamanho que o Estado suporta”, declarou.

Hoje, o Banco do Brasil realizará cerimônia de lançamento do Plano Safra 2021/2022, quando deve anunciar, oficialmente, a destinação de R$ 135 bilhões para a safra 2021/2022, 17% a mais que o volume aplicado na safra anterior.

Fonte: Correio Braziliense

Com muito ❤ por go7.site