Políticas públicas para cadeia de produção de pescados abrem atividades do IFC 2021

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest

O tema geral do IFC 2021 – “Das águas à mesa do consumidor: por uma cadeia competitiva, sustentável  e focada no mercado global” – oferece uma ideia geral da abrangência do evento.

O pré-congresso sobre políticas públicas será desenvolvido no dia 24, das 8h30 às 12 horas, reunindo secretarias estaduais de agricultura, aquicultura e pesca, órgãos ambientais, órgãos de assistência técnica  e extensão rural, de crédito e de sanidade animal, entidades, empresas e profissionais do setor.

O presidente do IFC 2021 e ex-ministro da Pesca Altemir Gregolin assinala que é essencial definir o papel do Estado e aperfeiçoar as Políticas Públicas  para estabelecer as metas, potencialidades e possibilidades da cadeia produtiva de pescados. Realça que o evento de referência da aquicultura e pesca brasileira chega à terceira edição como o maior encontro de pescados, um marco da nova era em que vive a produção brasileira com a abertura de novos mercados e fortes investimentos em expansão da produção.

PROGRAMAÇÃO

No dia 24, às 8h30, o evento será aberto com o painel sobre “O papel do Estado e as políticas públicas  necessárias ao desenvolvimento da cadeia produtiva de pescados na próxima década”, tendo como expositores e debatedores Jorge Seif (Secretário de Aquicultura e Pesca do MAPA), Eduardo Lobo (presidente da Câmara Setorial de Pescados) e Norberto Ortigara (Secretário de Agricultura e Abastecimento do Paraná).

Às 9h10 entra em pauta “Política Tributária: Quais as  mudanças  necessárias para criar um ambiente de negócios estimulador de investimentos no setor de pescados?” com Luiz Hiloshi Nishimori (deputado federal e presidente da Frente Parlamentar em Defesa do Pescado), Francisco Medeiros (presidente executivo da Peixe Br) e Jaime Café de Sá (Secretário de Agricultura, Pecuária e Aquicultura de Tocantins).

Em seguida, às 9h50, o tema será “Licenciamento Ambiental: Qual legislação possibilita acelerar o crescimento do setor aquícola brasileiro com sustentabilidade?” à cargo da Secretaria de Meio Ambiente do Paraná e com a participação de Rogério Beretta, Superintendente da Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar do Mato Grosso do Sul.

O intervalo está programado para às 10h20 e às 10h40 inicia o painel “Crédito:  Quais os entraves e as políticas necessárias para melhorar as condições e ampliar o acesso?” com a participação do diretor de crédito e informação da Secretaria de Política Agrícola do MAPA, Wilson Vaz de Araújo, Banco do Agricultor do Paraná e do presidente Executivo da Peixe BR Francisco Medeiros.

Com a contribuição do Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná (IDR), do Instituto BioSistêmico de Piracicaba (SP) e da Cooperativa  Copacol será discutida, a partir das 11h10, a questão da “Assistência técnica e extensão rural: novos tempos, novas ferramentas e novos métodos – qual o modelo para apoiar o desenvolvimento da aquicultura brasileira?”

O seminário de políticas públicas será encerrado às 11h50 com a palestra  “Sanidade e Biossegurança – O papel dos estados e a experiência do Paraná” proferida pelo coordenador do Programa de Sanidade dos Animais Aquáticos da ADAPAR, Cláudio César Sobezak.

Fonte: MB Comunicação Empresarial/Organizacional

Com muito ❤ por go7.site