Primeira biblioteca indígena de Juína possibilita difusão de conhecimento e vivências

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest

Há pouco mais de uma semana, Mato Grosso conta com sua primeira biblioteca de temática do indígena. Instalada no distrito de Fontanillas, em Juína, a 735 quilômetros a Noroeste de Cuiabá, a BibliÓca foi inaugurada no dia 19 de dezembro para preservar e difundir a cultura e o conhecimento da etnia Rikbaktsa.

A Biblioteca foi implantada com recursos do edital da Rede de Pontos de Cultura da Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel), numa parceria entre a prefeitura de Juína e a comunidade indígena. O prédio, que foi construído pelos próprios indígenas com o suporte do curso de arquitetura da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), mantém a arquitetura tradicional da comunidade e leva o nome de Nelson Mutzie, liderança Rikbaktsa que coordenava a construção e que morreu recentemente vítima da Covid-19.

Reconhecida como um ambiente de difusão de conhecimento e vivências, a BibliÓca é um ponto de concentração de publicações e pesquisas sobre os índios Rikbaktsa que estão espalhadas nos ambientes acadêmicos e institucionais. O acervo conta também com conteúdo especializado em temas dos povos indígenas do Brasil, como política indigenista e questão ambiental, além de dicionários e livros na língua Rikbaktsa.

O espaço, que integra o Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas de Mato Grosso, é composto ainda por galeria de memórias do povo Rikbaktsa, redário literário, laboratório de informática com acesso à internet e por um espaço para comercialização de artesanatos, propiciando geração de renda às comunidades locais.

“Nós da Secel nos orgulhamos por termos contribuído para a implantação da BibliÓca. É um projeto bastante significativo que ajuda a difundir as expressões culturais indígenas para além dos limites das comunidades, possibilitando aprendizado e respeito à diversidade étnica”, ressalta o secretário adjunto de Cultura da Secel, José Paulo Traven.

Com entrada gratuita e aberto ao público em geral, o local é ponto de referência para visita e contato específico com a cultura indígena. O projeto planejado com a participação da comunidade visa dar visibilidade à história do povo Rikbatsa e tem potencial para se tornar um ponto turístico do distrito de Fontanillas, que fica a 45 km de Juína, e é cortado pelo majestoso rio Juruena.

Fonte: Juina news