Pró-milho/RS apresenta ações em andamento e colhe sugestões para o próximo ano

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest

O comitê gestor do Pró-milho/RS se reuniu nesta terça-feira (5) para debater as ações em andamento dentro do programa e para colher sugestões de ação para o próximo ano. O comitê gestor é composto por representantes de entidades envolvidas na cadeia produtiva de milho, desde os produtores de grãos até a indústria de proteína animal, um dos maiores consumidores.

“O êxito na construção do Pró-milho se deve à parceria com entidades que compõem o conselho gestor. Precisamos criar mecanismos de fomento para aumentar a capacidade de produção e estocagem de milho grão”, disse o chefe de gabinete da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (SEAPDR), Erli Teixeira.

O coordenador do Pró-milho/RS, Valdomiro Haas, listou as ações que estão em andamento, atualmente, sob coordenação da Secretaria e da Emater/RS-Ascar, como os eventos técnicos para difusão de informações, realizados de forma virtual durante a pandemia, e que poderão ser organizados regionalmente, em formato presencial, no próximo ano. “Também estão sendo instaladas 24 unidades de referência tecnológica, ajudando a mostrar manejos que representem ganhos de produtividade”, contou.

Para o fim desta safra, está previsto um levantamento, com 50 amostras, para avaliações sobre perdas na colheita e orientações técnicas para regulagem das máquinas colheitadeiras. Outro ponto de atenção do programa será com relação à cigarrinha do milho, levando orientações de manejo a fim de evitar a sua ocorrência nas lavouras do Estado. “Com os escritórios municipais da Emater, temos a capacidade de atender 21 mil produtores”, projetou. As ações estão em andamento desde junho deste ano, e vão vigorar até julho de 2022.

Sugestões ao Pró-milho/RS

Para os integrantes do comitê gestor, a irrigação continua sendo o principal gargalo no estímulo à produção de milho no Rio Grande do Sul. Com o encerramento do programa Mais Água, Mais Renda, as secretarias estaduais de Agricultura, Meio Ambiente, Fazenda e Obras estão trabalhando conjuntamente em um decreto que institua um novo programa estadual de fomento à irrigação.

“Para as cooperativas, os principais fatores de preocupação são a irrigação – acesso a linhas de crédito e agilidade no licenciamento ambiental – e o custo maior de produção com a elevação de preços dos insumos, máquinas e combustível”, enumerou Tarcísio Minetto, economista da Fecoagro-RS. Apreensão compartilhada pelo presidente da Apromilho/RS, Ricardo Meneghetti: “Sem dúvidas, precisamos de novas soluções para o fomento da irrigação no Rio Grande do Sul”.

Representando o Sindicato das Indústrias de Produtos Suinos no Estado do Rio Grande do Sul (Sips), o presidente do Fundesa, Rogério Kerber, destacou o período desfavorável pelo qual a cultura do milho passou no Rio Grande do Sul nos últimos anos, com a ocorrência de duas estiagens e a pandemia. “Tínhamos perspectivas negativas para esta safra devido a esse histórico, mas se deu o inverso”, disse, se referindo à projeção da Emater/RS-Ascar de um aumento de quase 7% em área cultivada para esta safra.

Kerber também pontuou que a necessidade de importação de 2,3 milhões de toneladas de milho de outros estados e países em 2020 fez com que R$ 3,3 bilhões escoassem para fora do Rio Grande do Sul, sendo R$ 800 milhões só em logística e ICMS. “Agora, com a perspectiva de importações maiores devido aos problemas climáticos no Brasil Central e no Paraná, precisamos coordenar a aquisição da produção de grãos dentro do nosso Estado. A previsão é de uma demanda de 6,44 milhões de toneladas de milho para produção de proteína animal”, finalizou. Para esta safra, a Emater/RS-Ascar projeta uma produção total de 6,11 milhões de toneladas do grão.

Também participaram da reunião o presidente executivo da Associação Gaúcha de Avicultura (Asgav), José Eduardo dos Santos; o diretor técnico da Emater, Alencar Rugeri; e representantes da Fetag e da Associação das Empresas Cerealistas do Rio Grande do Sul (Acergs).

Fonte: Assessoria de Comunicação Social Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural do RS

Com muito ❤ por go7.site