Produtores de Itamarandiba superam crise e comemoram a boa safra de abacaxi

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest

Produtores rurais de Itamarandiba, no Vale do Jequitinhonha, estão comemorando aquela que será a maior colheita de abacaxi no município dos últimos 10 anos. A previsão é de que a safra 2020/2021 registre uma produção de mais de mil toneladas da fruta. Um acréscimo de 600 toneladas em relação à safra anterior. A colheita, que começou em dezembro, se estende até março.

Itamarandiba já foi um dos principais produtores de abacaxi de Minas Gerais. Chegou a ter 300 hectares plantados. Mas a grande incidência da fusariose, uma doença causada por fungos, e o interesse pelo plantio de eucalipto fizeram com que o cultivo de abacaxi fosse reduzido drasticamente.  Há cerca de sete anos, Itamarandiba contava apenas com dois hectares plantados com a fruta.

Porém, com o controle da fusariose no município e os bons preços no mercado do abacaxi, a tradição no cultivo da fruta está sendo resgatada. Hoje são 16 produtores investindo na atividade, com uma área plantada de 50 hectares.

“Por causa do preço e como é uma cultura rentável, que utiliza a mão de obra familiar, os produtores de Itamarandiba retornaram ao plantio de abacaxi. A dúzia da fruta atualmente está sendo vendida por aproximadamente R$ 45,00, que é um bom preço. Mas, no final do ano passado, chegou a ter um pico de R$ 80,00, durante uma semana”, explica o engenheiro agrônomo da Emater-MG do município, João Batista Araújo.

O abacaxi cultivado em Itamarandiba é o Jupi, uma variedade doce e de massa amarela. O clima de altitude da região favorece a cultura. Quase toda a produção é vendida na Ceasa da região metropolitana de Belo Horizonte.  A safra de Itamarandiba é favorecida porque não coincide com o período de colheita de outras regiões do estado.

“A safra daqui é tardia. Enquanto o pico em outras regiões ocorre em setembro e outubro, aqui começa a colher abacaxi no final de dezembro ”, informa o técnico da Emater-MG.

Controle da fusariose 

O aumento da área plantada nos últimos anos só foi possível após o combate à fusariose. Para isso, a Emater-MG, vinculada à Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), orienta os produtores sobre o controle fitossanitário e produção de mudas a partir do seccionamento do caule de plantas sadias. Segundo o técnico da empresa, este método elimina 90% da possibilidade de desenvolvimento da doença.

“São produtores que absorvem muito bem as orientações da Emater, as novidades sobre uso de defensivos e adubação. Contribuímos também com a comercialização, no contato com redes de sacolões de Belo Horizonte para adquirir o produto”, afirma João Batista.

Jacaré

O produtor Pedro Rodrigues viveu o auge da produção de abacaxi em Itamarandiba. Nos anos 90, chegou a ter 30 hectares plantados. Com o surgimento da fusariose abandonou a atividade e foi trabalhar como carreteiro. Atualmente, com a doença controlada, retomou o plantio. Tem uma área de quatro hectares e pretende dobrar o tamanho da lavoura.

Ele passa quatro dias da semana na Ceasa, comercializando a produção própria e também ajudando nas vendas de abacaxi de outros agricultores de Itamarandiba, já que conhece muitos compradores. O seu Pedro conta que o abacaxi Jupi é menor que outras variedades e que, por isso, não tem uma aparência externa que chame atenção.  Mas o que conquista a clientela é o sabor diferenciado.

“Fui o primeiro a comercializar na Ceasa. No início, o nosso abacaxi tomou o apelido de ‘jacaré’, porque eles não conheciam o abacaxi e acharam que não era bom. Quando começaram a comprar e viram que o abacaxi era muito bom, a procura aumentou demais.  Hoje eles deixam de comprar em outras lojas e compram por um preço mais alto na nossa mão. O nosso abacaxi não tem acidez, é muito doce. Não tem aparência, mas a qualidade é boa demais”, afirma o produtor.

Fonte: Assessoria de Comunicação – Emater-MG

Com muito ❤️️ por GO7.SITE

⚙️