Projeto de cooperação vai estimular produção de 200 mil toneladas de soja sustentável no Maranhão

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest

Uma nova iniciativa, envolvendo 30 produtores de soja do Maranhão, pretende ampliar a produção sustentável em uma região onde o cultivo de oleaginosa está em expansão. Iniciado em 2020, o projeto Cadeias Sustentáveis pretende levar conhecimento técnico para que agricultores do Estado atuem dentro das melhores práticas e acompanhem a evolução da performance socioambiental de suas propriedades, além de gerar mais informações sobre a produção na região, uma das novas fronteiras agrícolas do país.

Resultado de uma parceria entre o governo do Estado do Maranhão, por meio da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Pesca do Estado do Maranhão (Sagrima), e a Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ) – agência alemã de cooperação internacional, o projeto será operacionalizado a partir de uma cooperação com a ADM, uma das principais traders de commodities agrícolas do mundo, e a Produzindo Certo, empresa especializada na transformação responsável de cadeias produtivas do agronegócio.

Os 30 produtores que participarão do projeto estão sendo selecionados entre os fornecedores que fazem parte da cadeia de suprimentos da ADM no Estado. Os selecionados receberão a visita de especialistas da Produzindo Certo, que verificarão as condições agrícolas, ambientais e trabalhistas em cada propriedade e realizarão um diagnóstico socioambiental. Em uma fase seguinte serão definidos os compromissos de melhorias e planos de ação. Os produtores receberão orientações técnicas e legais e estabelecerão então as prioridades para a evolução do desempenho socioambiental. A assistência técnica e a avaliação são gratuitas para o produtor. O programa é financiado com recursos do projeto Cadeias Sustentáveis e da empresa ADM.

“Os fornecedores de soja da ADM cumprem rigorosamente todos os parâmetros legais ambientais e sociais, muitos até fazem mais do que é exigido pela lei. Desde 2009, temos uma parceria com a Produzindo Certo para produzir soja sustentável, e o nosso objetivo é ampliar a performance socioambiental das propriedades e demonstrar os benefícios dessa gestão responsável”, explica o líder da área de sustentabilidade ADM Latam, Diego Di Martino.

A adesão é voluntária. Por isso, o conhecimento do meio rural e a experiência de trabalho da Produzindo Certo ao lado dos produtores contribuem com o engajamento dos participantes e ajudam a construir uma relação de confiança. Como incentivo, além da assistência técnica, os produtores ainda têm à disposição um instrumento que demonstra em que etapa do caminho cada fazenda está.

O checklist da Produzindo Certo tem quase uma centena de indicadores e foi complementado com quesitos que são relevantes para o programa, ampliando a avaliação. O questionário observa pontos como conservação do solo e da vegetação nativa, uso de defensivos agrícolas e fertilizantes, metodologias de prevenção de incêndio, plano de gestão de resíduos e regularização ambiental e trabalhista.

O programa também prevê a avaliação de aspectos como inovação, parceria com o setor empresarial, gênero, sucessão rural e participação dos jovens nas atividades. “Com esse projeto, a Produzindo Certo apoiará a produção de aproximadamente 200 mil toneladas de soja sustentável em solo maranhense”, comenta Charton Locks, diretor de operações da Produzindo Certo.

Ana Carolina Câmara, diretora do projeto na GIZ Brasil, destaca o modelo colaborativo da iniciativa. “Trabalhamos sempre com parceiros locais, apostando em iniciativas de stakeholders da cadeia para gerar trocas e conhecimento. No caso do Cadeias Sustentáveis, vamos promover a iniciativa durante uma safra inteira e organizar encontros com os participantes para entender os indicadores de resultados e seus impactos na cadeia visando uma produção sustentável”, explica.

A parceria entre ADM, GIZ, Governo do Maranhão e Produzindo Certo foi assinada no final de julho, no âmbito do projeto Cadeias Sustentáveis, que faz parte do programa Sustentabilidade e Criação de Valor em Cadeias Produtivas, uma iniciativa global da GIZ financiada com recursos do Ministério Federal da Cooperação Econômica e do Desenvolvimento (BMZ) da Alemanha e que atua com o objetivo de aumentar a sustentabilidade de cadeias produtivas relevantes.

SOBRE OS PARCEIROS 

ADM 

Presente há 20 anos na América do Sul, a Archer Daniels Midland Company (NYSE: ADM) é uma das maiores empresas do agronegócio no mundo. Atua no processamento e comercialização de grãos (soja e milho); fabrica óleos vegetais, ingredientes e insumos para a indústria química, alimentícia e de nutrição animal, biodiesel e opera uma grande estrutura logística para levar esses produtos para os mercados em todo o mundo. É no Brasil, no entanto, que está localizada a maior operação sul-americana da ADM, empregando cerca de 3.300 colaboradores, desde 1997 – ano que marcou o início de suas operações. Em 2020, a ADM registrou o terceiro recorde anual consecutivo na originação de grãos do Brasil. Desde 2009, através do ADM Cares – programa de investimentos sociais – a empresa investiu mais de US﹩ 4,5 milhões de dólares na América do Sul, apoiando diversos projetos nas áreas educacional, social e ambiental.

Para mais informações, entre em contato com [email protected] 

GIZ 

A GIZ é uma empresa do Governo Federal da Alemanha que apoia a implementação de projetos de cooperação internacional e está presente em mais de 130 países. No Brasil, a cooperação alemã para o desenvolvimento sustentável atua, principalmente, em duas áreas temáticas: proteção e uso sustentável das florestas tropicais, assim como energias renováveis e eficiência energética.

Para mais informações, entre em contato com [email protected] 

Produzindo Certo – Empresa especializada na transformação de cadeias de fornecimento, a Produzindo Certo une produtores e empresas comprometidos com a correta gestão dos recursos naturais e com a sociedade. Com mais de 2.000 propriedades cadastradas em sua plataforma e mais de 6 milhões de hectares monitorados, realiza o diagnóstico socioambiental e propõe planos de ação para que elas se adequem às melhores práticas de produção e conservação.

Para mais informações, entre em contato com [email protected] 

SAGRIMA 

A Secretaria de Estado da Agricultura, Pecuária e Pesca tem por objetivo formular, implementar, coordenar, acompanhar, supervisionar, avaliar e controlar políticas públicas, programas, projetos e ações voltados para o crescimento da produção agropecuária, estimular o agronegócio, a agricultura, o extrativismo vegetal e florestal, a exploração florestal, o abastecimento, o armazenamento, o associativismo e o cooperativismo, a defesa e navegação animal e vegetal, a pesquisa, o aproveitamento dos recursos naturais renováveis e a comercialização e distribuição de alimentos, bem como fomentar a pesca e a aquicultura sustentáveis, promovendo o ordenamento, a regulação, o incentivo, o monitoramento e a fiscalização de suas atividades, compreendendo todo o processo de exploração e aproveitamento destes recursos, abrangendo as operações de captura, cultivo, conservação, , processamento, transporte, armazenagem e comercialização dos produtos decorrentes, objetivando a promoção do desenvolvimento sustentável do setor.

Para mais informações, entre em contato com: Ivan Armstrong (98) 9 8501-2272 

Fonte: Assessoria de Comunicação ADM

Mais recentes

Juju Salimeni interagiu com os seguidores novamente na última quinta-feira, e através da caixinha de perguntas no Instagram, abriu o coração ao ter sido questionada sobre o fato de não querer ter filhos. Na ocasião, um internauta citou papo de maternidade, e a musa fitness justificou a decisão. “O povo adora julgar, mas não quer saber a visão de cada um. Não é uma decisão eterna, pode ser que mude algum dia. Nunca tive esse sonho. Não sinto vontade de ser responsável por outra vida”, iniciou ela, que recentemente terminou o namoro com o empresário Helisson Dias. “Tenho desejos e planos que não quero abrir mão e como mãe teria que fazê-lo. Ser mãe é um compromisso eterno que não me sinto apta a assumir. Não tem nada a ver com corpo, porque sei que sou capaz de voltar a forma totalmente. Simplesmente não tenho vontade e isso é normal”, concluiu Juju Salimeni.

Siga-nos

Com muito ❤ por go7.site