Queda no preço do milho não traz alívio para o produtor de frango

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Avise

Algumas das análises de mercado dos últimos dias vêm acompanhadas da observação de que a queda de preço do milho em junho corrente traz alívio para os avicultores. Alívio? Onde?

Sim. Depois de um ano de altas quase sucessivas, o milho encerra o primeiro semestre de 2021 com um preço médio mensal cerca de 7% inferior ao do mês anterior. Mas isso equivale a uma gota d’água num oceano.

Porque, a despeito do retrocesso, o grão continua custando quase o dobro de um ano atrás, enquanto a valorização do frango não vai muito além dos 50%.

Aliás, a real distância do frango em relação à sua principal matéria-prima fica bem mais clara ao se analisar a evolução de preços dos dois produtos a partir de junho de 2019 (gráfico abaixo). Pois se nos 25 meses desde então decorridos o preço do frango foi corrigido em 60%, o do milho apresentou evolução de, aproximadamente, 135%. Isto – note-se e ressalte-se – se considerada a redução de preço de junho, pois, aos preços de maio, a alta do milho superou os 150%.

Mas por que a base de comparação é junho de 2019? Porque, até então e nos meses que se seguiram, a relação de preços entre frango e milho se manteve, aproximadamente, dentro da média histórica. Mas a partir de outubro daquele ano os preços do milho começaram a se desgarrar e, após breve interregno no segundo trimestre de 2020, seguiram numa alta alucinante e praticamente contínua, só interrompida agora em junho.

Para resumir, em junho de 2019 uma tonelada de frango vivo permitiu adquirir mais de 80 sacas de milho. Neste ano, mesmo mês, o poder de compra do frango caiu para 56 sacas, volume mais de 30% menor.

Fonte: AviSite

Com muito ❤ por go7.site