Saúde pede ajuda a Planalto para adquirir vacinas da Janssen e Pfizer

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest

O Ministério da Saúde divulgou no domingo (21) que aguarda entre segunda (22) e sexta-feira (26) orientação do Palácio do Planalto sobre “como proceder para solucionar impasses nas negociações iniciadas em abril de 2020” para compra das vacinas da Pfizer e da Janssen contra a covid-19.

As negociações estão “emperradas por falta de flexibilidade das empresas”, de acordo com a pasta.

Argentina autoriza uso de vacina chinesa da Sinopharm

“Queremos salvar vidas e comprar todas as vacinas comprovadamente efetivas contra o coronavírus aprovadas pela Anvisa. Desde abril de 2020, começamos a conversar com a Janssen e um mês depois com a Pfizer, mas as duas empresas fazem exigências que prejudicam interesses do Brasil e cederam pouquíssimo nisso, ao contrário de outros fornecedores”, afirmou Elcio Franco, secretário-executivo do ministério, por meio de nota.

“Quarta passada (17/2), diante dessas dificuldades e da Janssen e Pfizer não terem nos permitido avançar na compra das vacinas, remetemos um ofício à Casa Civil, que certamente buscará orientação junto a outros órgãos federativos e nos ajudará a encontrar soluções que extrapolam os limites legais do Ministério da Saúde”, acrescentou.

A pasta informou que o documento encaminhado à Casa Civil monstram que as relações comerciais se encontram “sem avanço, em virtude das limitações jurídicas vislumbradas para a contratação em conformidade com a legislação brasileira”. Os contratos estão sob análise da consultoria Jjídica do Ministério da Saúde.

De acordo com Franco, os dois laboratórios pedem garantias de pagamento e se resguardam de eventuais efeitos graves que as vacinas possam causar, exigências que não foram feitas por outros fabricantes.

“Queremos proteger todos os brasileiros contra a covid-19 o mais rápido possível. Por isso esperamos pacientemente dias e dias pelas propostas da Janssen e da Pfizer, que imaginávamos, nos remeteriam ofertas em condições plausíveis, o que não aconteceu”, afirmou.

O contrato da Janssen chegou ao Ministério da Saúde na sexta-feira (12) e o da Pfizer, três dias depois. O ministério informou que se reuniu com representantes das duas farmacêuticas na quinta-feira (18) e afirmou que as propostas de venda chegaram com “relativa demora” e que ainda impossibilitam “prosseguir com as negociações”, que já se estendem há nove meses, mas que a pasta continua interessada na compra, com o objetivo de ter o máximo de vacinas aprovadas pela Anvisa e disponíveis no país.

Fonte: R7

Com muito ❤️️ por GO7.SITE

⚙️