Tereos amplia aposta na exportação de açúcar

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest

Para reduzir os impactos da dupla crise dupla de preços e volume que atinge o mercado de biocombustíveis, e para mitigar os efeitos da redução da demanda de algumas indústrias por açúcar, a Tereos Açúcar e Energia Brasil -braço da francesa Tereos com faturamento anual de cerca de R$ 3 bilhões -vai apostar em toda sua capacidade de produção do adoçante e aproveitar uma recém-reforçada estrutura logística de exportação para intensificar as vendas da commodity ao mercado internacional.

O movimento espelha o que vem ocorrendo em todo o Centro-Sul do país. Mas a migração açucareira da Tereos é mais significativa, uma vez que suas sete usinas no Brasil já têm um “DNA” açucareiro bem acima da média e a empresa já atua em diversos mercados, com fornecimento tanto para indústrias como para o consumidor final. Com forte contribuição de suas operações no Brasil, a Tereos é a terceira maior produtora de açúcar do mundo, com receita anual de mais de 4 bilhões.

Assim, a companhia consegue migrar até 68% da cana para fabricar açúcar, enquanto na média das usinas do Centro-Sul o percentual deverá ficar em 45%, segundo algumas projeções, ante 34% em 2019/20.

“Temos atuação em exportação de açúcar branco, embarque de açúcar VHP [bruto], açúcar para o varejo e açúcar industrial, o que faz com que possamos direcionar produtos para um canal ou outro, dependendo da demanda e da relação de preços. Neste momento, é uma vantagem competitiva que temos”, afirmou Jacyr da Costa Filho, diretor da Região Brasil da Tereos, ao Valor.

Essa estratégia, porém, não faz a empresa prescindir do mercado de etanol, que agora enfrenta uma pressão adicional com o colapso das cotações do petróleo. O executivo, que também preside o Conselho do Agronegócio da Fiesp, disse que o governo precisa apresentar medidas “nesta semana” para impedir a desorganização de algumas empresas. Na semana passada, a cadeia produtiva pediu a criação de uma linha de R$ 9 bilhões para estocar etanol e mudanças tributárias para melhorar a competitividade do biocombustível em relação à gasolina.

Para a Tereos, a virada açucareira deverá reduzir significativamente sua exposição ao etanol. Na safra passada (2019/20), das quase 20 milhões de toneladas de cana processada nas sete usinas da Tereos, 60% viraram açúcar, cuja produção foi de 1,6 milhão de toneladas. Nesta temporada, a empresa deverá moer quantidade similar de cana, mas o resultado da produção de açúcar será maior, próximo a 2 milhões de toneladas, a depender da produtividade nas lavouras.

A estratégia da múlti não significa, porém, que o mercado da commodity está imune a desafios em tempos de pandemia. Com mudanças de hábitos e redução de consumo fora de casa, algumas indústrias de alimentos já vêm solicitando a revisão de contratos de açúcar por perda nas vendas, disse o executivo.

A indústria de refrigerantes, por exemplo, uma das principais consumidoras industriais do açúcar brasileiro, registra cerca de 30% de retração nas vendas.

“Apesar de termos contratos, temos flexibilidade de volume nesses contratos e estamos direcionando para exportação mais açúcar branco”, afirmou Costa Filho. Ele ressaltou, porém, que não são todas as indústrias que estão reduzindo a demanda. Dentre os grandes clientes da Tereos no Brasil estão PepsiCo, Nestlé, Coca-Cola e Mondelez.

No exterior, há um vácuo no mercado resultante tanto de problemas de produção na Tailândia, segundo maior exportador do mundo, e da decisão de alguns países de restringir as exportações para priorizar o mercado interno, como na América Central. Na Índia também há problemas nos embarques, que estão sendo afetados pelo lockdown.

Nesse cenário, a companhia avalia que suas exportações do Brasil, normalmente destino de 50% do açúcar produzido, representarão parcela maior, entre 58% e 60%.

O escoamento do açúcar VHP deverá ser facilitado com o início da parceira da Tereos com a VLI, com a entrada em operação, em breve, de dois armazéns, em Guará e no Terminal da VLI no Porto de Santos, com capacidade conjunta de estocar 200 mil toneladas. A parceira prevê que a companhia poderá escoar por ferrovia até 1 milhão de toneladas de açúcar próprio e de terceiros. Nesta safra, o volume deverá chegará a uma quantidade “próxima” desse potencial.

Para embarques de açúcar branco, a Tereos já conta com a estrutura do Terminal Portuário de Paranaguá (Teapar), único capaz de embarcar açúcar branco de forma não conteinerizada (“break-bulk”), com capacidade para movimentar 600 mil toneladas ao ano, e onde a múlti tem 35% de participação.

Apesar da “saída pelo açúcar”, o executivo ainda guarda otimismo com o futuro do etanol. “Se houver algum legado dessa crise, deve ser a preocupação com a saúde pública. E acho que etanol vai fazer parte de políticas públicas não só no Brasil, mas em muitos países”.

Fonte: Portal do agronegocio

Com muito ❤ por go7.site