TRF acata pedido da Fiemt e reduz contribuição previdenciária para indústrias em Mato Grosso

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest

Está confirmada pelo Tribunal Regional Federal da 1ª região a exclusão do ICMS, ISS, PIS e Cofins da base de cálculo da Contribuição Previdenciária sobre a Receita Bruta (CPRB). Em decisão unânime, a oitava turma negou recurso da Fazenda Nacional em ação movida pela Federação das Indústrias de Mato Grosso (Fiemt). A publicação da decisão foi feita hoje (5). “Trata-se de uma vitória importante para as indústrias associadas à Fiemt que contribuem para a Previdência por meio da CPRB. Essa vitória se soma a conquistas anteriores, como a exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS e da Cofins – concedida em Mato Grosso a pedido da federação e posteriormente reconhecida pelo Supremo Tribunal Federal. Foi a partir do reconhecimento de que o ICMS não se incorpora ao patrimônio do contribuinte e, portanto, não pode integrar as bases de cálculo do PIS e da Cofins, que a Fiemt também pleiteou a exclusão desses tributos da CPRB, uma vez que nenhum deles se caracteriza como faturamento ou receita bruta”, analisa o presidente da federação, Gustavo de Oliveira.

“Nós já temos uma carga tributária extremamente pesada no país. Então precisamos estar atentos para identificar e combater situações como esta, de imposto sobre imposto, que oneram ainda mais o contribuinte. Estamos sempre atentos a isso na Fiemt. Infelizmente, enquanto não conquistarmos uma reforma que simplifique a traga transparência ao nosso sistema tributário, continua sendo necessário acionar a Justiça para resolver cada ponto em que identificamos inconsistências”, emendou.

Iniciado em 2017, o mandado de segurança da Fiemt já havia obtido uma série de decisões favoráveis, começando por uma liminar concedida em outubro daquele ano. Desde então, as decisões vêm mantendo a exclusão dos impostos. Ainda cabe recurso aos tribunais superiores, porém o prognóstico é positivo para os contribuintes, dados os precedentes existentes, de acordo com o tributarista Victor Maizman, responsável pela ação em nome da Fiemt.

Quanto a valores já recolhidos de forma indevida, Maizman explica que será necessária a publicação da decisão final para que seja possível a restituição ou compensação do crédito a ser apurado. Contudo, para evitar a prescrição do direito à restituição ou compensação referente à quantia indevidamente recolhida nos últimos cinco anos, indústrias poderão lançar mão de notificação judicial com o objetivo de interromper a prescrição, informa a assessoria da federação.

Fonte: Sonoticias

Com muito ❤️️ por GO7.SITE

⚙️